Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
» CICLISTA COM UMA CALOI 1966 DE 17KG, PARTICIPA DO DESAFIO NA SERRA DA GRACIOSA E CHEGA EM 3º LUGAR!
Ter Nov 14, 2017 10:16 pm por rogervaqueiro

» SDempre actual, um regalo..
Qua Nov 08, 2017 6:29 pm por iMiguel

» Chaimite Alentejana V2.0
Dom Set 03, 2017 11:31 pm por iMiguel

» Encontro SS no alentejo
Qui Jul 06, 2017 5:15 pm por iMiguel

» onde pedalo...
Ter Jun 20, 2017 12:30 pm por iMiguel

» Singlespeed Mountain Biking: Is this Some Kind of a Cult?
Sab Jun 03, 2017 9:40 am por rogervaqueiro

» SSkinny "Onibla" a obra concluida
Sab Maio 20, 2017 9:31 pm por rogervaqueiro

» a minha single speed
Sab Maio 20, 2017 9:30 pm por rogervaqueiro

» Auto colantes
Sab Maio 20, 2017 9:26 pm por rogervaqueiro

Novembro 2017
DomSegTerQuaQuiSexSab
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Calendário Calendário

Twitter
Imagem hospedada por Servimg.com
Os membros mais ativos do mês
iMiguel
 
NunoFmc
 
rogervaqueiro
 

Mestre Jingas


A minha RECLINADA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A minha RECLINADA

Mensagem  FDurao em Qui Maio 10, 2012 4:58 pm

Tudo começou á uns anos quando visionava um filme do “007”, de repente a meio de uma cena ali estava ela! Uma bicicleta diferente de todas as outras que conhecia até então!


Passados uns anos ia eu a caminho do trabalho e no caminho cruzo-me com uma bicicleta como a do filme! Seria um “camone”, pois em Portugal seria impossível naquela altura existir alguma, mas como já ia um pouco atrasado nem parei a fim de matar a minha curiosidade.

Então em 2011 depois de por acaso ter visto uma na NET, vá de fazer pesquisas e matar a curiosidade sobre a bicicleta “ESQUISITA” que sempre me espevitou a gula.

Depois de muita pesquisa e devorar muita informação, verificar custos e outros, lá fiz negócio com um quadro, cadeira e almofada adquiridos On-Line na Alemanha.

Todo o restante material seria tirado da minha bicicleta de estrada, ficaria inoperacional, paciência, estava decidido e não mexia mais!

Assim que chegou o tão esperado quadro enquanto não o coloquei com os mínimos a andar, não descansei, mas como sempre a pressa não é boa concelheira e logo no primeiro dia feri-me gravemente num dedo derivado a não ter punhos e tampões nos topos do guiador e numa queda entalei o dedo entre o alcatrão e o topo do guiador resultando dai um corte muito feio e profundo e fiquei com uma unha a menos. Se ao menos tivesse tido o mínimo discernimento de calçar as luvas, talvez o ferimento não fosse tão grave. Mas não foi isso que me derrubou, voltei a casa e fiz um penso bem volumoso e voltei ao “cavalo selvagem”.

A primeira impressão que obtive é que nunca iria conseguir pedalar na nova bicicleta esquisita que afinal tem nome próprio, RECLINADA ou RECUMBENT. Depois de muita queda (só nos dois primeiros dias contei até ás quarenta, depois desisti de contar), lá comecei a andar, mas pedalar só com mudanças leves e a subir ou a direito, pois a descer era ver se a conseguia equilibrar para não cair.

Com os treinos que entretanto ia efetuando no quintal e esporádicas saídas á rua lá fui fazendo km e ganhando equilíbrio para andar minimamente em segurança, quando já tinha alguns km efetuados dessa forma lá me equipei e arrisquei numa saída para o alcatrão, sempre muito devagar e assim que ouvia o som de um carro ou algum parecido vá de encostar com medo de com a atrapalhação começar aos “S” e enfiar-me debaixo de algum carro.

Com isto tudo parece que o pessoal da aldeia onde eu moro tem “faro” e vá de vir para a rua nas alturas que eu me arriscava a andar no alcatrão, era um farto-te de rirem e mandarem “bocas”, eu atrás dos meus óculos escuros vá de não perder a concentração para não fazer má figura.

A primeira volta a sério foram só 6 km seguidos, mas que me fizeram suar e stressar mais do que se fizesse uma maratona de BTT de 100 km de Single Speed. Aqui notei logo que os músculos das pernas que tinha tão bem adaptados ao ciclismo não iriam trabalhar da mesma maneira na RECLINADA, O músculo em que noto maior diferença em relação á pedalada numa bicicleta normal é o TENTÃO DO RETO DA COXA (acho que é esse, ou seja na coxa por cima do joelho), quando em subidas em que vou mais pesado noto mesmo esse músculo a apertar e uma ligeira dor, isto porque quando é necessário fazer força na RECLINADA por vezes nem me lembro de meter uma mudança mais leve em virtude de como estou com as costas todas encostadas vá de dar “carvão”, é um pouco como estarmos encostados a uma parede ou outro e forçar um objeto com as pernas, como temos as costas “quentes” as nossas pernas parecem uma alavanca a empurrar tudo.

Algumas fotos da mesma desde o dia que a recebi até hoje:








































A montagem final está com uma mistura na transmissão de estrada/Btt, pois acabou por ser a melhor opção.

A mesma já leva perto de 2.000 km efetuados maioritariamente em estrada, mas também num leve BTT e cada vez me dá mais gozo andar nela, principalmente pelas reações que os automobilistas e os peões vão tendo á minha passagem Shocked

avatar
FDurao
Moderador
Moderador

Número de Mensagens : 151
Idade : 52
Localização : Mértola - Baixo Alentejo
Data de inscrição : 06/08/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A minha RECLINADA

Mensagem  iMiguel em Sex Nov 14, 2014 8:52 pm

Já pedalei nesta bicicleta. Quer dizer... pedalei... andei 3m seguido sem meter o pezinho no chão lol!
avatar
iMiguel
É um duro já anda de SS rígida
É um duro já anda de SS rígida

Número de Mensagens : 290
Idade : 31
Data de inscrição : 30/05/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum